Adolescência, erotismo e drogas

– Ao fazer uso de drogas, o jovem pode estar buscando vários tipos de gratificação: desafiar os pais, exibir-se para a turma e mostrar-se diferente, adulto.

Temos duas tendências antagônicas: uma, na direção da integração e do aconchego que ela provoca. Outra, na direção da individualidade e do prazer de se sentir especial. A tendência para a integração corresponde aos nossos desejos amorosos, a nossa vontade de atenuar a sensação de desamparo, com o calor que a intimidade com determinadas pessoas nos provoca. Este lado é o que predomina durante os anos da infância. A criança gosta muito mais de se sentir igual e bem aceita do que se sentir especial e destacada. Ela não gosta de ser a mais pobre de sua classe, mas também não gosta de ser a mais rica! Não quer ser a mais baixa nem a mais alta. Para ela, o fundamental é sem bem acolhida, amada. Ser diferente da média poderá impedir que ela atinja esse objetivo.

Com a chegada da puberdade, a situação se inverte. Um dos ingredientes mais importantes da nossa sexualidade adulta é a vaidade. A vaidade corresponde a um forte prazer erótico ligado ao destacar-se, ao chamar a atenção e atrair olhares de admiração e desejo. É evidente que alguém só chama a atenção se tiver algumas características diferentes das outras pessoas. Destacar-se é o oposto de integrar-se. O desejo de ser uma criatura especial e única passa a ser predominante durante os primeiros anos da adolescência. Isso, juntamente com os impulsos agressivos contra a família, explica a tendência para condutas extravagantes durante esses anos. Ser diferente da média incomoda aos pais e também faz com que o jovem se sinta especial e rico em erotismo – próprio da vaidade.

Na realidade, o desejo de se destacar não faz com que desapareça a outra tendência – a de integração. O que acontece é que passamos a conviver com as duas. E isso deve ser o motivo principal pelo qual somos tão freqüentemente tencionados por dois pontos de vista – ou duas vontades- antagônicos. Queremos o aconchego do amor e o erotismo do destaque. Na adolescência, os jovens lutam para se tornar independentes – coisa que fará bem à vaidade -, mas não podem negar que estão despreparados para isso. Encontram uma solução interessante: tornam-se independentes de suas famílias e se envolvem mais intensamente com o grupo de jovens com o qual convivem. Radicalizam suas posições em relação à família e se integram ao grupo, passando a se comportar segundo suas regras. Tornam-se “diferentes”, mas iguais aos membros da turma!

Os jovens se interessam por experimentar todo o tipo de droga, entre outras razões, porque elas são proibidas e censuradas por suas famílias. A necessidade de ir contra estes padrões é enorme. Mas são curiosos e querem saber tudo a respeito da vida dos adultos, condição a que estão chegando agora. Sentem também os agradáveis “calafrios” da vaidade quando já são olhados como adultos, como criaturas independentes. E este último ingrediente é extremamente importante para que experimentem as drogas e até mesmo se esforcem por gostar delas. Isso acontece não apenas com a maconha e a cocaína, proibidas, mas também com o cigarro e o álcool. Todo o ritual do uso grupal dessas drogas mostra a dependência que os jovens têm da turma. Além do fato, importantíssimo, de que um dos objetivos dessas atividades é exibir-se para o grupo como alguém capaz de condutas de adulto.

O cigarro é um exemplo adequado para o que estou pretendendo demonstrar. A iniciação nem sempre é fácil, pois os brônquios rejeitam a fumaça inalada. É necessário esforço e determinação para vencer a tosse, a náusea e a tontura que o cigarro provoca nas pessoas não acostumadas a ele. Mas, se um rapaz for capaz de ultrapassar esses obstáculos, passará a se sentir como uma pessoa mais adulta. Achará que com ele acontece a mesma coisa que vê nas propagandas: as garotas notam sua presença de uma forma mais marcante! Ele é visto como um homem. E um homem muito especial, pois fuma a marca tal, própria dos mais nobres. O simples ato de colocar o maço de cigarros no bolso provoca uma sensação erótica. O indivíduo já se sente mais forte, mais bacana e com maiores chances de sucesso nas suas empreitadas, em geral, e nas investidas eróticas, em particular. As moças, por seu lado, também se sentem encantadas pelo ato de fumar. Para elas, trata-se de um símbolo de independência e de ousadia. Um símbolo de emancipação sexual! A mulher que fuma marca tal é livre e desperta desejos irresistíveis nos homens.

Felizmente já estamos avançando em relação à questão do cigarro. Cada vez mais é cafona ser fumante, e isto tira o erotismo desse vício. Mas tomar determinados aperitivos ainda é muito charmoso. O mesmo acontece, de forma mais reservada, com a maconha e a cocaína. Com tamanho reforço do nosso lado erótico, é fácil compreender porque a tendência para o vício é tão forte.

Compartilhe!
  • Thiago

    Cigarro e álcool (drogas mais comuns) são ruins para o paladar infantil. Como o paladar não muda, então se alguém permanece sem usar esse tipo de droga e, ao experimentar, mesmo depois de uma idade mais avançada, será ruim do mesmo jeito. Então como que surgiu a primeira vez esse ciclo de que adultos bebem e fumam?

    Seria em países frios, onde o álcool apesar de ruim, era útil para dar uma sensação de corpo aquecido?! O cigarro, imagino q tenha surgido como ritual, assim como é em todas as tribos indígenas.

    Quando eu tinha meus 13 anos, um colega dizia q bebia cerveja, e eu falava q era muito ruim, ele me respondia que era questão de costume, e utilizava uma técnica nos primeiros dias: Não deixava a bebida encostar na parte inicial da língua (onde capta os sabores doces). Depois descobri q mais colegas faziam o mesmo. Eu até tinha tentado, mas era ruim do mesmo jeito.

    Acho q por egoísmo preferi continuando tomando refrigerante, que sempre me agradou, do que “virar um adulto” só para agradar os outros. Eu pensava “Ainda bem que para ser adulto não precisa comer fezes. Já pensou alguém vende uma ideia dessas?!”