Como aprender a dizer “não”?

Por que se perpetuam em nós comportamentos dos quais desejamos efetivamente nos livrar? Esse é um dos maiores dilemas práticos da psicologia.

É incrível como é difícil mudar qualquer conduta em nós mesmos. E tantos pretendem tentar, através do discurso, mudar os outros: impossível!

O medo, a culpa e a vaidade são os ingredientes mais fortes dos processos íntimos que inibem a mudança de qualquer um dos nossos padrões de conduta.

Compartilhe!
  • Beto Espeleta

    Flávio Gikovate, há anos venho lidando com as consequências do sim e com a dificuldade de dizer não. Gostei dos esclarecimentos, no entanto, a mim, fica a maior dificuldade. Como lidar com a insistência? Digo não de todas as maneiras possíveis e no final sou vencido pela insistência que pode durar até uma semana.
    De um modo geral as explicações sobre como dizer “não” se parecem com os programas de dieta que os nutricionistas prescrevem: sevem apenas para quem tem tempo de ir na academia e dinheiro para pagar as dietas sempre muito caras.
    No caso das admoestações para o não, elas colocam os fracos para o sim com incompetentes sem solução, As “receitas” funcionam quando o “agressor” não é obstinado, ou quando as armas da obstinação não são um processo de vampirismo psicológico, quando o alvo para obtenção do “sim” já não está cercado por uma horda de vampiros sociais…

    • Julia

      Beto, ele só lhe deu um caminho, quem escolhe prisseguir ou não é vi. Eu só quero te lembrar que uma pessoa que é baixa a ponto de ficar uma semana insistindo, mesmo sabendo que vi não quer, essa pessoa não te ama e se quer gosta de vc. Você não significa nada pra ela, pra ela jogar tão sujo assim como vc. Ai eu te pergunto, vc vai se estresse, se chatear por uma pessoa que não gosta de vc? Te seguro ver um vídeo chamado OS 5 MAIORES ARREPENDIMENTOS DE PACIENTES TERMINAIS, um deles e justamente o seu problema, passar por cima da própria felicidade para agradar uma pessoa que se quer te respeita. Agora se imagina no leito da morte e veja se tudo isso valeu a pena, se essa pessoa que tanto insistiu estará lá por você. Se cuida e acorda pra vida, o ela é muito curta pra perder tempo com besteira e gente que não nos agrega nada.

  • Beto Espeleta

    Flávio Gikovate, há anos venho lidando com as consequências do sim e com a dificuldade de dizer “não”. Gostei dos esclarecimentos, no entanto, a mim, fica a maior dificuldade: como lidar com a insistência? Digo “não” de todas as maneiras possíveis e, no final, sou vencido pela insistência que pode durar até uma semana.

    De um modo geral, as explicações sobre como dizer “não” se parecem com os programas de dieta que os nutricionistas prescrevem: servem apenas para quem tem tempo de ir à academia e dinheiro para pagar as dietas, sempre muito caras.

    No caso das admoestações para o “não”, elas colocam os “fracos” para o “sim” como incompetentes sem solução. As “receitas” funcionam quando o agressor não é obstinado, ou quando as armas da obstinação não são um processo de vampirismo psicológico, quando o alvo para obtenção do “sim” já não está cercado por uma horda de vampiros sociais…

  • Monique Braga

    Gosto muito do seu trabalho, Dr. Gikovate. Já li o livro ‘Mudar’ e achei nota 10! Parabéns!!

  • Neide

    Dr. Flávio, boa tarde, tenho muita dificuldade em dizer não, por isso me cobro demais, tento ser perfeccionista comigo e com todos, me acarretando problemas emocionais, trato com depressão há 12 anos, síndrome do panico e ansiedade (essa que mais me consome). Portanto preciso ouvir mais vezes suas palestras e aprender resolver esses conflitos sem ficar com peso de culpa. Gostei muito da sua palestra sobre o não. Vou passar a ver todas suas palestras disponvel no canal. Obrigada.