Dr. Flávio Gikovate

Lidar com o sofrimento, um aprendizado

| 3 Comentários

- Em vez de tentar impedir que nossos filhos sofram, devemos ajudá-los a vencer os obstáculos da vida.

Um aspecto que não pode ser subestimado quando refletimos sobre nossa evolução psicológica é o das peculiaridades inatas. Mais importantes que os obstáculos que a vida nos impõe são nossas forças para ultrapassá-los e tirar deles lições importantes. Portanto, em vez de tentar impedir que nossas crianças sofram, deveríamos ajudá-las a desenvolver seu potencial interior, a fim de serem capazes de adquirir competência para suportar dores físicas e mentais.

Não se pode evitar, por exemplo, que uma criança sofra com a morte precoce do pai. O que interessa é ajudá-la a desenvolver, mais cedo do que seria natural, competência para lidar com a dor da perda afetiva, com responsabilidades maiores do que as que se poderia pretender para aquela idade; a mobilizar, enfim, toda a sua energia interior para ultrapassar, da melhor maneira possível, essa experiência marcante e dramática.

A expressão “da melhor maneira possível” é importante, pois não há como impedir alguns desdobramentos. Por exemplo: o desenvolvimento precoce da responsabilidade poderá influir na sua história de vida, tornando-a menos capaz para o lazer e excessivamente preocupada com as pessoas que dependerão dela. Não há muito o que fazer, a não ser compreender que aquilo que somos hoje é fruto da forma como nosso cérebro respondeu aos obstáculos da vida.

Acredito que algumas crianças nasçam com maior tolerância às dores. As que não nascem assim tendem a agir com agressividade e descontrole quando frustradas. É nosso dever ajudá-las a desenvolver a tolerância; isso será uma conquista mais difícil para elas e exigirá maior energia por parte do educador.

A título de comparação, sabemos que algumas crianças nascem com maior facilidade para aprender a tocar um instrumento musical. Para as menos dotadas, será preciso um número maior de aulas e muito mais persistência, para que se saia tão bem quanto outra, que tocará apenas “de ouvido”.

O importante, no caso da capacidade de lidar com dores, é não aceitar o “estopim curto” das mais intolerantes como se isso fosse uma peculiaridade irreversível. Devemos lutar para ajudá-las a aprender a não reagir com violência diante das contrariedades inevitáveis vida. Insisto nesse ponto, pois é indispensável que a criança possa ultrapassar o egoísmo natural e respeitar os direitos dos outros – o que, não raramente, implica frustrações e renúncia de alguns dos seus desejos.

Somos diferentes em quase todos os aspectos da nossa constituição física e psíquica. As variações da inteligência são enormes, e também as relacionadas à agressividade, intensidade dos medos e capacidade de lidar com eles, força do instinto sexual. O vigor físico varia tanto no que diz respeito à saúde como à força muscular e à estatura. Nossa aparência física é única e sujeita a julgamentos próprios de cada época e lugar.

Você já observou como a beleza, principalmente a feminina, pode determinar o destino uma pessoa? A menina bonita é tratada com mais deferência desde a infância. Ao sair com suas crianças, os pais gostam de exibi-la como uma espécie de “obra-prima”. A menina compreende tudo e, desde cedo, se percebe como uma pessoa especial, uma espécie de princesa. Ao observar o mundo saberá que “beleza é fundamental”, que é um grande valor e privilégio. Com a chegada da puberdade, receberá todo tipo de convites, de facilidades, sentirá que todas as portas do mundo estarão abertas para ela.

É, como dizia um autor norte-americano, uma “celebridade genética”, famosa sem ter feito nada além de nascer. Tenderá a se acomodar a essas facilidades, tornando-se pouco disciplinada e nada esforçada para atividades intelectuais e profissionais, o que poderá lhe custar grandes prejuízos no futuro.

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter
  • http://www.facebook.com/marialuisapersson Maria Luisa Persson

    Filhos tem os pais como ponto de referência.Os pais nao sao donos dos filhos;e
    sim responsavéis por eles; continuacao da educacao e socialicacao é a escola e o ambiente onde a crianca vive.Um fator que é muito importante e acho que nao é comum,é de que “muitissímo” pouco elógiam as criancas em terna idade,quando a mesma faz algo certo.Um dos pontos mais importante é o uso da violência fisíca como castigo de correcao.Uma explicasao que muitos pode achar banal.Pode-se constatar que o melhor resultados em domar um cavalo selvagem é dando uma cenoura em vez de usar o sipó! A falta de respeito pela integridade da crianca nao existe,é como se ela fôsse um objeto.Liberdade sem responsabilidade,nao é liberdade.A disciplina partiarcal militante é mais prejudicial do que educacional.
    Há muito pouco dialogo, curiosidade,e critíca nesse assunto,pricipalmente agora com a nova tecnologia! Os valores, atitudes tem mudado e entao como podemos influênciar, canalizar e estimular as criancas,de maneira positivas.Criancas nao faz o que se diz e sim o que os adultos fazem.

  • Maria

    Parabéns! Muito esclarecedor esse artigo. Eu como mãe compreendo a dificuldade em permitir que qualquer tipo de sofrimento atinja um filho. Como se isso fosse possível…

  • Da-chan

    Uma música, muito verdadeira, sobre o lado negro de ser uma “Obra prima” da natureza:

    E que ressoa um pouco com o que é exposto pelo Dr. Gikovate no livro “Deixar de ser Gordo”, no que concerne aos possíveis traumas de “meninas bonitas”.