O homem e as regras sociais

Ainda mais difícil do que aceitar o desamparo da condição humana, é o de nos depararmos com a nossa insignificância cósmica. Somos um modesto animal — apesar de dispormos de um cérebro de razoável competência, para alguns assuntos ele é bastante inferior ao que supomos — que habita um modesto planeta de um dos milhões de sistemas solares. E é evidente que nossa vaidade fica bastante ofendida com estas constatações; basta ver a reação de hostilidade desencadeada sobre criaturas como Galileu e Darwin, que nada mais fizeram senão nos mostrar alguns aspectos da nossa insignificância. Na verdade, não gostamos nem mesmo de pensar em assuntos deste tipo; sabemos que é verdade, mas tratamos de mudar nossa atenção o mais rápido possível para a realidade concreta que nos cerca e, com isto, nos distrairmos destas coisas dolorosas e geradoras de desespero e medo.

A insignificância cósmica ofende a vaidade humana, de modo que acredito que isto se transforma em um reforço ainda maior no sentido do indivíduo tratar de obter o destaque social, de se sentir importante e significante ao menos por comparação com outros homens. Acho também que isto explica uma correlação, para mim bem evidente, entre vaidade e inteligência: ou seja, quanto mais lúcido da condição humana (e isto é derivado da inteligência), mais frustrado o indivíduo fica e mais busca remédio para sua dor no destaque social. Ao se sentir mais importante (e isto nem sempre tem a ver com mais útil, mais construtivo) a pessoa se sente menos frustrada; e se sente importante porque é reconhecida por outras pessoas, admirada por elas, invejada por elas.

Não é difícil perceber como esta peculiaridade da psicologia humana pode ser mais um importante fator para a determinação dos grupos sociais como nós o conhecemos. Alguns se destacam defendendo as regras do jogo estabelecido; são os governantes, os que detêm o poder; são reverenciados, terão estátuas depois de mortos, serão nome de rua; não são tão insignificantes, ao menos à primeira vista, quanto a grande massa da população, que será lembrada apenas pelos familiares (e ainda assim por muito pouco tempo). Se sentirão tanto mais significantes quanto mais tiverem adeptos, pessoas que pensam como eles, obedeçam às suas falas e lhes sigam; inversamente, se sentirão brutalmente ofendidos com as oposições que a eles se faça, pois estas são criaturas que também lidam mal com o desamparo (por isso escolheram o sucesso segundo as regras do jogo existente, sem tentar modificá-las).

Outras buscam a significância de um modo mais sofisticado, isto é defendendo pontos de vista mais de acordo com seus sentidos de justiça pessoal e social. São pessoas que se opõem à ordem social mais igualitária; agem, porém, de uma maneira meio “messiânica”, se colocando como os salvadores dos oprimidos. Estão em busca, antes de tudo, de um sentido grandioso para suas vidas, coisa que só será alcançado se forem capazes de “salvar” o seu povo. Se compõem em grupos minoritários e também tendem para o autoritarismo, pois não toleram divergências de opinião — coisa que bem demonstra a precária construção psicológica destas pessoas.

Outros ainda buscam saídas individuais, coisa bastante comum com os de temperamento artístico. Poetas, pintores, filósofos de gênio, músicos buscam também o destaque social e a significância através de obras que eles pretendem sejam eternas. Mas, como regra, têm vidas bastante extravagantes e costumam ser as criaturas mais coerentes entre o que pensam e o modo como agem (insisto que coerência não implica em não mudar de opinião; a conduta vai mudando junto com as novas idéias). Exercem, como regra, suas vaidades físicas de modo mais direto; vivem em permanente transgressão das regras sociais e chamam a atenção por causa disto. Despertam a admiração e a inveja das pessoas em geral, que adorariam viver desta maneira, mas não o fazem porque não tem coragem.

Compartilhe!
  • felipe

    “correlação, para mim bem evidente, entre vaidade e inteligência: ou seja, quanto mais lúcido da condição humana ”

    Correlação negativa só se for.
    Uma pessoa sabia de verdade consegue se auto satisfazer sem precisar do reconhecimento de outras pessoas.
    Abs.

    • Jorge Lucas

      Err… a existência do seu comentário (e a do meu é claro) está contrariando a lógica da sua própria afirmação. Se uma pessoa sábia (e você é de fato uma) consegue se satisfazer sem precisar de reconhecimento de outros, por que você comentou aqui para que outros, além do Doutor Flávio Gikovate, leiam? 🙂

      Não estou dizendo que discordo do você disse. Estou apenas mostrando que os valores que idealizamos são difíceis de serem alcançados a todo momento, até porque somos todos seres humanos.