Resgatar o respeito aos mais velhos

– Olhar para os idosos não como um estorvo, mas como pessoas com quem nós podemos aprender muitas coisas. Eis o desafio nesta época de alta tecnologia e grandes e rápidas mudanças.

Nos últimos 50 anos temos vivido uma fase de rápidas e importantes transformações na nossa vida prática graças aos significativos avanços da ciência e da tecnologia. Ao menos em seus aspectos externos, o mundo está muito diferente do que era até o início deste século.

Esses progressos práticos trouxeram vários problemas para as pessoas mais velhas. O primeiro é o surgimento mais claro de uma tendência conservadora que todos temos. Pessoas de mais idade não veem com bons olhos as novidades: ou não se adaptam a elas, ou o fazem muito lentamente. Afinal de contas, viveram tantas décadas sem um dado equipamento que não o acham tão necessário. Eu mesmo, que ainda não estou tão velho, tenho grande resistência aos novos equipamentos eletrônicos.

Mas a consequência mais grave desse avanço rápido foi a ideia de que as pessoas mais velhas não podem acompanhá-lo, nem mesmo do ponto de vista intelectual.

Há uns vinte anos atendi uma senhora de idade. Ela me olhou e disse: “Que bom que o senhor é jovem. Não gosto de médicos mais velhos porque estão desatualizados”. Ou seja, os próprios idosos passaram a achar que toda a luz e sabedoria estava com os jovens. Isso trouxe vários desdobramentos, todos eles negativos, do meu ponto de vista. Os jovens passaram a se achar muito sábios. Perderam a capacidade de ser “discípulos” porque não tinham mais condições de ver os mais velhos como “mestres”. Não estavam — e não estão — preparados para isso nem intelectualmente, nem emocionalmente. Um jovem deveria ter alguém mais velho com quem se aconselhar, até para aliviar o peso da responsabilidade que recai sobre suas costas.

O subproduto mais grave disso foi a tendência de relegarmos às pessoas mais idosas um papel menor, desprezível mesmo. Nossos velhos passaram a ser vistos como um fardo a ser carregado, como pessoas inúteis e chatas. Afinal de contas, não sabem nem mesmo como é bom navegar na internet! Estão fora da realidade. Não têm nada a nos ensinar. Assim, perderam o direito de ser tratados com o respeito e a reverência que eram dedicados aos idosos em outros tempos.

Naquela época, eles eram os detentores de um saber que todos os moços queriam ter. Conheciam mais da vida, tinham experimentado e sofrido mais. Conheciam ofícios manuais e intelectuais que só se aprendiam convivendo com os que tinham mais experiência. Eram respeitados, tratados por senhor e senhora; os filhos e netos lhes beijavam a mão e pediam a bênção. Esse tratamento diferenciado e reverente dava sentido e importância para este período dificílimo da vida. O velho tem que conviver com as doenças e suas dores. Tem que conviver com a ideia da morte se aproximando. Tem que assistir à própria decadência física e, às vezes, intelectual. O respeito e a admiração dos mais novos eram um pequeno alimento para a vaidade das pessoas nessa fase — vaidade abalada por todos esses fatores inerentes à idade. A verdade é que a velhice sem essas pequenas honrarias se torna bastante mais triste e dolorosa.

Acho que hoje já podemos fazer uma avaliação crítica dos tempos modernos. Já podemos dar o devido peso ao progresso técnico e às vantagens que ele nos trouxe. Já sabemos que as belas máquinas não resolvem nossas questões íntimas mais importantes. Já sabemos que as vivências e a experiência acumuladas ao longo das décadas valem mais do que elas. Já podemos, pois, voltar a olhar para as pessoas mais velhas não como um estorvo e sim como criaturas com quem podemos aprender muitas coisas. Se isso acontecer, penso que os idosos também tenderão a voltar a valorizar sua condição e sua experiência. Sim, porque, hoje, muitos velhos só pensam em como conseguir manter a aparência típica da mocidade. Vão atrás de cirurgias plásticas de todo o tipo, de próteses penianas e outros recursos tecnológicos para adiar o máximo possível a chegada dessa fase da vida, que deveria ser rica em reflexões e filosofia e livre de disputas e competições.

Compartilhe!
  • Denis

    Sou jovem de 25 anos e embora na minha infância eu ja tinha os avós falecidos, tenho uma grande admiração por pessoas mais velhas. Sempre os vi como uma fonte de sabedoria, independente do grau de escolaridade. Há sempre muito o que aprender com a experiência de quem ja viveu muitas décadas. Sempre quando tenho a oportunidade de encontrar alguém mais velho, seja no ônibus, dou uma puxada de assunto, e sempre me parece q eles tem prazer em conversar e naturalmente vão soltando alguns conselhos e algumas lições, sem eu mesmo perguntar, o que me abre espaço para mais perguntas e mais aprendizado. Uma pena q a grande maioria dos jovens seja tão mesquinha nessa questão.

  • Silvia

    Maravilhoso e verdadeiro!! é extremamente importante oque disse nesse artigo! antigamente os velhos eram respeitados, hoje eles são totalmente desrespeitados pelos mais jovens. Só que os jovens, são os velhos de amanha , será que não pensam nisso! bom, eu respeito muito minha mãe e não sou tão velha e nem jovem!! eu diria madura,rs, mas já sinto a indiferença em certos lugares e situações! lamentável mas é a pura realidade!…teria muito para falar, mas esse resumo, já expressa minha humilde opinião!…admiro o senhor Dr. Flávio Gikovate.