Por que a comunicação é tão difícil?

- Patrocinado -spot_imgspot_img
- Patrocinado -spot_imgspot_img

Somos extremamente centrados em nós mesmos. Vivemos como se os outros
soubessem exatamente o que se passa dentro de nós. Estamos muito pouco
atentos para as enormes dificuldades que temos em nos comunicarmos com alguma
eficiência.

Nos últimos tempos, esses obstáculos têm chamado a atenção de muita gente.
Pode até ser que as indiscutíveis diferenças entre os sexos determinem problemas
ainda maiores para a comunicação entre homens e mulheres do que os encontrados
entre as pessoas em geral. Mas a questão é mais complexa.

Às vezes é bom parar para pensar sobre as ironias de nossa condição. Gostamos
de ser únicos, especiais e inconfundíveis. Fazemos uma avaliação positiva das diferenças
na nossa aparência, mas achamos que somos essencialmente parecidos do ponto de
vista intelectual e emocional.

Ver as propriedades que nos definem e nos tornam especiais de uma forma
positiva nos agrada porque isso satisfaz a nossa vaidade. Por outro lado, quando se
trata do nosso mundo interior, gostamos de nos imaginar parecidos uns com os outros.
Ao nos reconhecermos como únicos, teríamos de nos deparar com o fato de que somos
uma ilha solitária, ainda que cercados por milhões de outras ilhas.

Adoramos nos sentir especiais, mas detestamos nos sentir sozinhos. A solução
que encontramos para essa contradição é a de nos definirmos como seres da mesma
“massa”, possuidores de umas tantas particularidades, por meio das quais podemos
nos destacar e dar vazão ao nosso orgulho.
Podemos até dizer que a compreensão da existência de diferenças radicais
não só nos daria clara percepção da nossa solidão como também nos impediria
qualquer tipo de comparação, o que seria péssimo para a vaidade – pois não se podem
comparar qualidades diferentes.

Partimos do ponto de vista de que o outro é parecido conosco, sente as coisas da
mesma forma e, em essência, pensa como nós. Aliás, nos irritamos diante de alguma
diferença de opinião. Nem chegamos a considerar a hipótese de que a mesma palavra
possa ter um significado diferente no cérebro de outra criatura. Não damos o braço a
torcer nem com os exemplos mais banais: “tradicional” pode ser uma ofensa para um
vanguardista e um elogio para um conservador; e “engordar” tem significados diferentes
para um magro e um gordo.
Projetamos nos outros nossa maneira de ser e de pensar. Depois nos
comunicamos com eles como se fossem entender tudo exatamente como estamos
falando.
O resultado não poderia deixar de ser esse amontoado de mal-entendidos e de
agressões involuntárias – ou não – determinadas por uma palavra que é ouvida de
forma diferente daquela que é falada.
Se quisermos começar a nos comunicar de verdade, teremos que partir do
princípio de que outro é autônomo e não uma extensão de nós mesmos. Assim,
talvez possamos encontrar uma forma de construir uma ponte entre duas ilhas.

- Patrocinado -spot_imgspot_img

Latest news

- Advertisement -spot_img

Related news

- Patrocinado -spot_img

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here