Dr. Flávio Gikovate

Amor é Amor e Sexo é Sexo

Aprendemos que sexo e amor são componentes de um mesmo instinto. Não penso assim. O amor corresponde à agradável sensação de aconchego que sentimos quando próximos de uma criatura especial. É exatamente o que sente a criança no colo da mãe, nosso primeiro objeto do amor: a dor derivada da sensação de desamparo e de incompletude que todos sentimos desde o momento do nascimento se atenua nestes momentos de reencontro. Isto nos dá prazer. O amor adulto é idêntico ao infantil. Amor é paz e harmonia ao lado de uma criatura muito especial e única. Não existe, pois, amor por si mesmo. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Love is love, sex is sex

We are told that sex and love are part of the same instinct; I disagree. Love is a pleasant sensation of comfort we feel when we’re close to a special person. It’s what a child feels on their mother’s lap, everyone’s first object of love. The pain that comes from the vulnerability and incompleteness we all feel from the moment we are born decreases during these moments, giving in to pleasure. Love is exactly the same in childhood and adulthood. Love is peace and harmony next to a very special and unique person. There’s no such thing, therefore, as loving oneself. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Concessões, uma forma de evitar atritos

O que leva muitos homens (e mulheres) a aceitar as explicações do cônjuge que chega tarde do trabalho? Não seria mais natural esperar que o companheiro entendesse o nosso cansaço e nos recebesse com carinho redobrado?

Por que nos sentimos na obrigação de participar daquele almoço de domingo com a família se preferíamos ir ao cinema, acordar às 2 da tarde ou encontrar nossos amigos?

Que direito tem o namorado de censurar o comprimento do vestido da namorada? E por que ela concorda em mudar de roupa, interpretando a implicância dele como uma prova de amor?

A reposta a todas essas perguntas é uma só: para evitar atritos com aqueles que amamos. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Compromising to Avoid Friction

What makes so many women and men offer explanations to an angry spouse, when they come home late from work? Wouldn’t it be more natural to expect their partners to understand their exhaustion, and welcome them home even more warmly? Why do people feel compelled to attend that Sunday family lunch if they’d rather go to the movies, wake up late or meet up with friends? Why would a boyfriend be entitled to tell his girlfriend how long her skirt should be? And why would she ever agree to change her outfit and see his conniption as evidence of his love? There’s only one answer to all of these questions: to avoid conflict with the people they love. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Os gordos podem aprender com os magros

Não pretendo ser simplista e afirmar que existe um caminho único e fácil para se resolver a complicada questão da obesidade. Mas proponho uma inversão radical no modo de pensarmos a respeito do assunto. Em vez de nos atermos aos gordos e aos seus hábitos, que tal voltarmos nossa atenção para o modo de ser dos magros?

Os magros não sabem o que é passar o dia contando quantas calorias foram consumidas, pensando nos alimentos antes de ingeri-los, visitando a balança. Os gordos se entretêm numa espécie de videogame interior, onde eles vencem ou perdem conforme o número de calorias que consumiram naquele dia ou naquela refeição. Nenhum magro sofre desse tipo de obsessão. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

The Thin Person’s Mindset

I’m going to talk about obesity, and I have no intention of oversimplifying such a complicated issue. What I propose is radically inverting the way we think about it. Instead of focusing so much on overweight people and their habits, we should pay attention to the way thinner people live. Thin people have no idea what it’s like to count calories, think about food before they eat it or check the scales often. Overweight people, on the other hand, mentally play their own game, in which they win or lose according to the amount of calories consumed in a given day or meal. Thin people just aren’t obsessed by what they eat. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Satisfazer todas as vontades dos filhos é um erro

Muitos pais hesitam em impor castigos e limites aos filhos, por medo de perderem a sua estima, e mesmo a guarda deles, se um dia o casal vier a se separar.

Precisamos pensar seriamente em como estamos educando as crianças, já que é na infância que se estabelecem os processos psíquicos que irão nos acompanhar pelo resto da vida. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Todo mundo tem um lado bom?

Ao refletir mais vagarosamente sobre algumas frases de uso corrente, não é raro que nos deparemos com textos que parecem estar, mais que tudo, a serviço de nos provocar enganos. Uma dessas frases é a que dá título a esse texto. A ideia de que, no fundo, aquelas pessoas um tanto cruéis e agressivas tenham um “coração de ouro” que, vez por outra, se manifesta sempre me indignou. Penso que o que acontece no fundo das pessoas é muito relevante. Porém, mais relevante ainda é o comportamento delas no dia a dia. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Does Everyone Have a Good Side?

Upon deeper reflection on some popular adages, we often realize some of them just do not hold up and seem to exist solely to lead us to error; one of them is in the title. I have always been outraged by the concept that, deep down, aggressive and cruel people have a “heart of gold,” one that is rarely seen. I think that what happens deep down in these people is very important, but their day-to-day behavior matters even more. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

A Riqueza de um Casamento Romântico

Do ponto de vista teórico, os casamentos com altos e duradouros lances de romantismo deveriam ser muito mais frequentes que aqueles baseados em uma sexualidade rica e exuberante. Mas, na prática, isso não ocorre.

Não quero dizer que sejam tão comuns as uniões sexualmente satisfatórias, mas que são raríssimos os casais que conseguem viver, ao longo de várias décadas, uma experiência sentimental bonita, daquelas de encher o coração de alegria e os olhos de lágrimas, de tanta emoção. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Como aceitar as diferenças

Tenho tentado mostrar como nosso relacionamento com as outras pessoas é, na realidade, uma espécie de monólogo no qual esperamos encontrar no outro um espelho de nós mesmos.

Isso só ocorre porque somos inseguros e toleramos mal as diferenças de opinião – que nos deixam em dúvida sobre nossas próprias posições – e nos lembram a condição de solidão, da qual tentamos fugir o tempo todo. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Amizade é Mais que Amor

É sempre muito difícil comentar de uma forma nova um assunto que já conhecemos. Temos uma forte tendência conservadora, que nos leva a rejeitar, ao menos num primeiro instante, qualquer ideia que não esteja em concordância com o que já sabemos. Vou falar de amor e, então, parece mais difícil ainda que as pessoas consigam ver seus aspectos menos simpáticos.

O amor corresponde a uma busca de completude. Todos nós, desde o início da vida, temos a sensação de sermos incompletos. Parece que só nos sentimos inteiros e em paz quando estamos com o nosso eleito. Assim, é óbvio que nosso primeiro amor é nossa mãe, e todos os outros objetos de amor que venhamos a ter ao longo das nossas vidas serão substitutos dela. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

As Controladoras

Elas querem saber onde estão seus companheiros e o que seus filhos fazem “a esta hora ainda fora de casa”; preocupam-se excessivamente com a saúde dos seus pais e de outros parentes queridos. As mulheres controladoras temem que qualquer titubeio ou desatenção traga consequências desastrosas. Acreditam que as coisas estão calmas graças ao empenho que têm em se concentrar o tempo todo nelas. Sabem que gastam enorme energia nesse esforço, mas acham que seu sacrifício é responsável pela conquista de longos períodos de concórdia e bem-estar. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Educar é preparar para a vida

Um dos filmes mais bonitos e comoventes dos últimos anos, Cinema Paradiso, que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Foi um grande sucesso de bilheteria em muitos países e também no nosso. Quase todas as pessoas que conheço choraram em algumas partes do filme. A cena que provocou lágrimas no maior número de espectadores é aquela na qual o velho, que é o pai espiritual e sentimental do rapaz, que lhe ensinou quase tudo o que sabia da vida até então, diz a ele que se prepare para partir do vilarejo rumo à cidade grande: “Vá e não olhe para trás; não volte nem mesmo se eu te chamar”. O pai manda embora o filho adorado e “ordena” a ele que vá em busca do seu caminho, do seu destino, dos seus ideais. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Entendendo os Mecanismos da Culpa

O sentimento de culpa pode ser entendido como uma espécie de freio interno, nascido da capacidade que desenvolvemos, entre os 6 e 7 anos, de nos colocarmos no lugar do outro e podermos imaginar o que ele sente. Se percebemos que ele está sufocado por uma forte dor, e nos reconhecemos como causadores desta sensação, uma grande tristeza nos invade. É como se vivêssemos a mesma dor que pensamos estar causando ao outro, associada à amargura de termos sido os responsáveis por ela.

Como o sofrimento decorrente da dor que provocamos costuma ser intenso, evitamos nos expor a ele. Assim, a culpa se torna um importante freio moral, limitador de nossas ações. Não podemos maltratar alguém – já que seremos castigados interiormente da mesma forma – nem ter condutas que possam ferir os direitos alheios, pois isso também nos faz sofrer. Muitos se contêm pelo medo de represálias – terrestres ou divinas. Essas pessoas possuem freios externos, enquanto as que sentem culpa são limitadas por razões internas. Agem de modo mais rigoroso e são moralmente mais sofisticadas. Tendem a ser menos agressivas e mais controladas em suas ações, com o objetivo de não provocar dor nos outros. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Fim de Ano: Hora de Fazer um Balanço de Nossas Vidas

Dezembro costuma ser um mês diferente. Algumas pessoas ficam particularmente felizes, mas um grupo maior fica triste e outro ainda se sente profundamente deprimido. É o período do ano em que há maior incidência desse estado terrível, no qual as pessoas veem tudo negro, perdem as forças físicas e também as esperanças. Esse sentimento pode ter várias causas. A mais comum é a sensação de desamparo e abandono que muitos experimentam.

Pessoas com a vida sentimental mal resolvida sentem até alguma inveja daqueles que vivem em família, ainda têm os pais vivos, inúmeros irmãos e primos. É claro que a inveja nem sempre está justificada, pois a maior parte daqueles que têm o convívio familiar mais estreito padece de inúmeras situações de rivalidade, disputa e conflito. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Jovens Violentos

Os jovens têm falado muito em dinheiro e em pessoas famosas. As moças gostam de sair com os rapazes mais populares, o que tem significado muito variado e pode inclusive querer dizer que tais moços são mais competentes para atividades ilícitas. São frequentes as notícias sobre violências cometidas por jovens de boa condição econômica – e não raramente contra seus próprios pais ou parentes próximos. Na maioria dos casos, o que está em jogo é o dinheiro: eles sempre exigem mais, enquanto seus pais decidem regular a quantia a eles destinada. Sentem-se indignados, como se estivessem sendo roubados! Reagem com agressividade a essa impressão que, claro, não corresponde à realidade. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Lidar com o sofrimento, um aprendizado

Um aspecto que não pode ser subestimado quando refletimos sobre nossa evolução psicológica é o das peculiaridades inatas. Mais importantes que os obstáculos que a vida nos impõe são nossas forças para ultrapassá-los e tirar deles lições importantes. Portanto, em vez de tentar impedir que nossas crianças sofram, deveríamos ajudá-las a desenvolver seu potencial interior, a fim de serem capazes de adquirir competência para suportar dores físicas e mentais. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Medo, vergonha e culpa

Uso sempre uma comparação polêmica para tentar definir a condição humana: somos um mamífero parecido com o macaco, mas possuímos um computador sofisticado instalado no cérebro. Não sabemos muito bem como utilizar o computador, como ele funciona. Fizemos progressos, mas ainda temos um longo caminho a percorrer.

O mamífero homem tem múltiplos desejos. O principal freio à realização de alguns deles é o medo, exatamente como ocorre nas outras espécies. Trata-se de uma defesa que faz parte do “instinto” de autoconservação, processo inato cuja finalidade é afastar o animal dos perigos reais. Assim, quando um cachorro está com fome, o desejo o impulsionará na direção de algum alimento. Se, no entanto, uma onça estiver por perto, ele fugirá, pois o medo é maior do que o desejo de comer, maior do que a fome. Um homem sem recursos pretende as¬saltar um transeunte. Nota, porém, que um carro da polícia se aproxima. Tenderá, então, a desistir do roubo para evitar ser preso. Nos seres humanos, o receio da represália (ou da punição divina) às vezes constitui a única barreira entre fazer e deixar de fazer. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Não sabemos lidar com divergências

Uma das contradições mais graves que carregamos é esta: gostamos de ser únicos e originais, mas esperamos que todos pensem como nós e até que sintam o que sentimos. Nossa imagem de liberais e democratas vai por água abaixo assim que enfrentamos uma opinião divergente sobre os temas mais banais – um filme que amamos ou uma música que detestamos. De futebol à religião, expressamos essa intolerância: queremos que as pessoas não só creiam no mesmo deus, mas que o concebam da mesma forma.

Do ângulo da razão, desconfiamos dos que se mostram diferentes, de todos aqueles com quem não nos identificamos e das coisas que não compreendemos. Do ponto de vista emocional, não toleramos as diferenças porque nos fazem sentir sozinhos, desamparados. Uma simples divergência sobre um assunto irrelevante pode causar a separação de duas pessoas, especialmente se elas acreditam sinceramente nos seus pontos de vista e têm a convicção de que estão certas. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

O erro de educar ensinando amor incondicional

É fácil compreender as razões pelas quais quase todos nós nos perdemos como educadores. As descobertas da psicanálise acerca da importância dos primeiros anos de vida nos deixaram com muito medo de provocar traumas irreparáveis em nossos filhos. Preferimos, então, errar por falta de rigor do que por excesso de rigor. Para não “traumatizarmos” as crianças, passamos a temer até mesmo decepcioná-las e frustrá-las, coisa que elas percebem como fraqueza e tratam de abusar de nossa insegurança. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

O Que é se Colocar no Lugar do Outro?

Uma das operações psíquicas mais sofisticadas que aprendemos, lá pelos 7 anos, é esta, de tentarmos sair de nós mesmos para imaginar como se sentem as outras pessoas. De repente podemos olhar para a rua num dia de chuva e imaginar – o que, de certa forma, significa sentir – o frio que um outro menino pode passar por estar mal agasalhado.

Nossa capacidade de imaginar o que se passa é como uma faca de dois gumes. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Otimismo e Pessimismo

Não deixa de ser curioso observar as diferentes reações do ser humano frente a certos obstáculos. Ao adoecer, algumas pessoas só pensam na recuperação; outras sentem que jamais voltarão a ter saúde. Diante de uma situação de risco, os otimistas decidem enfrentá-la, pois acham que as chances de sucesso são boas; os pessimistas recuam, antevendo a catástrofe. Para começar um namoro, o otimista se aproxima de alguém que despertou seu interesse; o pessimista evita o primeiro passo, imaginando uma rejeição inevitável. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Para onde caminha o amor

Tudo nos leva a crer que a capacidade das pessoas viverem sozinhas esteja aumentando. Ou seja, é cada vez maior o número de homens e mulheres que se sentem razoavelmente em paz consigo mesmos, que são capazes de se entreter com seus afazeres e interesses, que sabem ir a um cinema ou bar sem se sentirem humilhados pela falta de companhia. Aliás, o aspecto social, também muito importante, começa a ser alterado.

Até pouco tempo atrás, a pessoa solteira era discriminada e rejeitada. Quem não estivesse casado era visto como portador de status social inferior. Havia, portanto, uma forte pressão na direção do casamento. Sempre que constato esse tipo de pressão sou tentado a desconfiar das “delícias” do objetivo que se pretende impor. Se fosse tudo tão bom não seria necessário pressionar tanto! Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Pensar, um ato sem censura

Quase todas as pessoas se assustam com certos pensamentos “proibidos” que afloram à mente de forma espontânea. Chegam a sonhar que mataram a própria mãe ou o irmão e acordam angustiadas. Não se conformam com o fato. Experimentam culpa, vergonha e não têm coragem de contar o sonho nem para os mais íntimos.

Ocorre o mesmo quando, acordadas, reconhecem que não gostam de um filho, que não sentiriam a mínima falta do companheiro se ele morresse. Isso sem falar das fantasias sexuais extravagantes. É enorme o constrangimento causado por alguns desejos sadomasoquistas ou de sexo promíscuo. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Por que nos decepcionamos com o amado

Por que nos encantamos sentimentalmente por uma pessoa? Ainda não podemos responder integralmente a esta pergunta fundamental.

Fomos capazes de avançar muito a esse respeito nos últimos anos, de modo que algumas conclusões parciais podem ser muito úteis para que cometamos menos erros.

Nós nos envolvemos com outra pessoa porque nos sentimos incompletos em nós mesmos. Se nos sentíssemos inteiros e não “metades”, certamente não amaríamos. Sim, porque o amor corresponde ao sentimento que desenvolvemos em relação àquele que nos provoca a sensação do aconchego e completude que não conseguimos sentir quando estamos sozinhos. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Quando falar é agredir

Há opiniões discrepantes em relação às pessoas que são muito cuidadosas e delicadas quando expressam seu ponto de vista, especialmente sobre temas polêmicos. Alguns as julgam falsas e hipócritas, pois escolhem as palavras com o intuito de agradar o interlocutor. Resultado: desconfia-se de sua sinceridade.

Outros, porém, pensam de forma diferente. Acham que são espíritos mais atentos, preocupados em não ser invasivos e grosseiros. Tomam cuidado, sim, porque não gostariam, em hipótese alguma, de magoar a pessoa com a qual estão conversando. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Quando Mãe e Filho Não se Amam

Durante a vida intra-uterina, o nosso cérebro se forma cercado de uma sensação de aconchego, paz e harmonia. Vivemos no paraíso – e o nascimento corresponde a sermos expulsos dele. A partir daí, passamos a experimentar aqueles que talvez sejam os piores tempos da nossa vida: temos frio, fome e sede; nos sentimos desamparados, realmente desesperados, quando não somos atendidos imediatamente por nossas mães.
Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Quando os parentes invadem nossa intimidade

- “Família é pra essas coisas” é um tema perigoso, pois permite que nossa privacidade seja devassada, criando situações embaraçosas e impedindo uma relação mais sadia e madura.

Somos educados para distinguir muito claramente os parentes dos amigos e das pessoas em geral. Desde crianças, aprendemos que a família é composta por criaturas sui generis que terão conosco um nível de relacionamento especial, governado por um código próprio, diferente daquele que empregamos no trato com estranhos. Com esses últimos, temos um relacionamento cordial e mais formal, respeitoso e que pressupõe reciprocidade nas atitudes. Por isso, nos ofendemos rapidamente quando somos invadidos em nossa privacidade. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Respeite a si mesmo e ganhe autoestima

Só existe autoestima quando uma pessoa vive de acordo com suas ideias, sem ofender o código de valores que ela construiu ao longo da vida. Uma pessoa para quem a honestidade é fundamental poderá ficar rica se aceitar suborno, mas sua autoestima cairá, inevitavelmente. Não é possível alguém gostar de si mesmo, ter um bom juízo de si, se estiver agindo em desacordo com seus princípios. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Respeite o meu direito de não querer te ouvir ou ver

O fato de alguém querer muito a nossa atenção não nos obriga a aceitar sua aproximação. Ao insistir em seu objetivo, mesmo que nos ame, ela estará sendo prepotente e egoísta.

Um senhor me acusou de desrespeitoso e mal-educado. Motivo? Não quis falar com ele ao telefone. Não o conheço, sabia que ele queria fazer críticas — “construtivas” — ao meu trabalho. Não me interessei em saber quais eram.

Uma colega me conta que sua mãe lhe diz: “Sua amiga de infância esteve aqui e está louca para revê-la. Quando posso marcar o encontro?” Minha colega não tem interesse em saber como está essa pessoa, nem deseja reencontrá-la.

Uma filha atende o telefone e diz ao pai: “Fulano quer falar com você”. O pai responde: “Diga que não estou”. “Mas ele diz que quer muito falar com você.” O pai: “Sim, mas eu não quero falar com ele!”

Afinal de contas, quem está com a razão? Aquele que se sente ofendido por não ser ouvido ou recebido? Ou quem se acha com o direito de só receber as pessoas que lhe interessam? Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Sexo, Remédio Contra o Estresse

Uma das maiores preocupações das pessoas sobrecarregadas de tensões e responsabilidades é encontrar meios de atenuar os malefícios causados à saúde pelo estilo de vida excessivamente acelerado. É claro que o ideal seria viver de maneira menos insana. Mas, diante das dificuldades de romper individualmente com esse modo de vida adotado por toda a sociedade, só nos resta buscar paliativos para nossas dores cotidianas: massagem, esportes, meditação, lazer, caminhada, hobbies. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Sobre estar sozinho…

Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o inicio deste milênio. As relações afetivas também estão passando por profundas transformações e revolucionando o conceito de amor. O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual exista individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, não mais uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Ter ou Não Ter Filhos?

É incrível, mas até hoje os casais que decidem não ter filhos são olhados com desconfiança, como se estivessem traindo a sociedade e a espécie humana. O argumento que sustenta as críticas – e atinge principalmente a mulher – é o da necessidade de satisfação do instinto materno: “só mesmo uma mulher muito desalmada não tenderia a exercer seus impulsos naturais.” Assim se manifestam as pessoas que seguem os passos de nossos ancestrais, sem nunca refletir sobre o modo como devemos conduzir nossas vidas. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Uma Pessoa Verdadeiramente Forte

A gente costuma ouvir que uma pessoa é forte, que tem gênio forte, quando ela reage com grande violência em situações que a desagradam. Ou seja, a pessoa de temperamento forte só está bem e calma quando tudo acontece exatamente de acordo com a vontade dela. Nos outros casos, sua reação é explosiva e o estouro costuma provocar o medo nas pessoas que a cercam. Talvez essas pessoas sejam responsáveis por chamar o estourado de forte, porque acabam se submetendo à vontade dele. Ele é forte porque consegue impor sua vontade, quase sempre por conta do medo que as pessoas têm do seu descontrole agressivo e de sua capacidade para fazer escândalo. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

A mulher sexualmente livre: a de verdade

Tenho insistido no fato de que a indústria pornográfica tem nos imposto um modelo de mulher que está fundado no fingimento. Elas têm um comportamento sexual que, mesmo falso, seria o dos sonhos dos homens: aceitam todo o tipo de prática, têm uma postura geral de submissão (ajoelham-se para fazer sexo oral neles), dão demonstrações ruidosas de prazer, especialmente quando são penetradas. Isso tanto na penetração vaginal como anal. Dizem várias vezes que estão gozando, de modo que estariam tendo orgasmos fáceis em qualquer destas circunstâncias. A submissão chega ao extremo quando elas oferecem a face para que os homens ejaculem. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Amor versus Individualidade

Ao longo do segundo ano de vida, a criança vivencia enorme avanço em suas competências: aprende a andar, a formular as primeiras frases, aprimora suas aptidões motoras etc. Se até então seu maior prazer era ficar no colo da mãe, usufruindo da paz e aconchego similar ao que foi perdido com o nascimento e sentindo por ela aquilo que chamamos de amor, agora ela gosta também de circular, especular o ambiente, tentar entender para que servem e como é que funcionam os objetos. Coloca quase tudo que encontra na boca, tenta sentir seu tato, observa o que acontece quando deixa que caiam no chão. Dá sinais de grande satisfação a cada nova descoberta. Está praticando os primeiros atos próprios de sua individualidade – e se deleitando com eles. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Amor, Sexo ou Dinheiro: O que é mais Importante?

Como saber qual o melhor caminho a seguir para atingirmos o estado de plena felicidade?

Temos sido estimulados a pensar que, hoje em dia, podemos alcançar essa permanente harmonia graças aos enormes avanços da tecnologia – e a consequente revolução de costumes – que nos permite viver com muito mais conforto e liberdade que nossos ancestrais. Aprendemos a acreditar que o “paraíso” é aqui mesmo! Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Confiar um no outro, essencial para um amor maduro

- Amar implica depender, estar na mão da outra pessoa. Por isso, amar alguém que não nos transmite confiança é ser irresponsável para consigo mesmo.

Poucos são os casais que vivem em concórdia, num relacionamento que crie condições para que ambos cresçam emocional e intelectualmente. Mas, porque existem alguns casais que vivem em harmonia, devemos nos empenhar para também fazermos parte dessa minoria privilegiada. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Individualismo não é Egoísmo

Individualismo é uma palavra que provoca polêmicas e mal-entendidos. Penso que, quando isso acontece, é porque o termo está sendo usado com múltiplos significados, o que desencadeará emoções diferentes de acordo com o modo como cada um o entenda.

Individualismo é palavra que determina juízo negativo quando é usada como sinônimo de egoísmo. O mesmo acontece quando ela é usada para descrever uma pessoa incompetente para relacionamentos afetivos e para uma adequada integração em grupos de convívio. Vale a pena uma reflexão mais rigorosa a respeito do tema, especialmente porque temos vivido uma fase da nossa história na qual cresce a tendência na direção do individualismo. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Será que é preciso amar a si mesmo antes de amar aos outros?

Sempre me surpreendo ao ouvir as pessoas falarem, com convicção, frases conhecidas, tidas como verdades, sobre as quais pouco refletiram. Elas correspondem às crenças, pontos de vista que herdamos daqueles que nos antecederam. Temos o dever de repensar tudo, uma vez que novos conhecimentos podem criar maneiras mais sofisticadas de encarar os temas que tanto nos interessam. Esta é uma destas frases: “se eu não conseguir me amar primeiro, não serei capaz de amar ninguém”. Isso é dito e pensado a propósito da possibilidade de estabelecermos um relacionamento íntimo, estável e de boa qualidade. Não se está falando em termos genéricos, de modo que ela não está diretamente ligada ao ditame bíblico de que devemos “amar ao próximo como a nós mesmos”. O “próximo” do texto bíblico é qualquer pessoa com a qual estabelecemos algum tipo de relação e não aquele ser especial com quem queremos estabelecer um relacionamento íntimo, de preferência estável e definitivo. Além disso, penso que a ideia religiosa diz respeito ao tratamento e aos direitos, ou seja, de que devemos considerar os outros como portadores de direitos iguais àqueles que atribuímos a nós. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Sofrimento produtivo e improdutivo

Podemos tentar classificar nosso sofrimento íntimo como normal ou patológico. Trata-se de uma avaliação complexa e difícil. Podemos pensar em tristeza com causa objetiva determinante e estados depressivos (tristeza e depressão são, hoje em dia, usados como sinônimos) definidos antes de tudo por alterações na química cerebral. Não se deve subestimar a dificuldade presente neste tipo de divisão, pois estados de alma interferem sobre a química e vice-versa.

Penso que é muito mais útil separar os estados depressivos em sofrimento construtivo e produtivo ou improdutivo e pouco útil – senão completamente inútil. Do ponto de vista prático, esta é a classificação que determina o tipo de interferência do profissional de saúde. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Vaidade e agressividade

Comecei a me aprofundar nas questões da vaidade há muitos anos. Porém, parece que só agora sou capaz de compreender a dimensão agressiva embutida neste prazer erótico que todos temos de nos exibirmos, atrairmos olhares de admiração ou de desejo.

Gastamos tempo e energia consideráveis com o objetivo de chamar a atenção das pessoas em geral – até mesmo daquelas que nos interessam pouco. Nos preocupamos muito com nossa aparência física e os mais displicentes sabem que também se destacam por agirem da forma como agem. Gostamos de exibir nossas conquistas materiais, nossos sucessos profissionais, artísticos, esportivos etc. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Vaidade, agressividade e inveja

Estamos tratando de um dos aspectos mais intrigantes da nossa condição: nascemos diferentes uns dos outros e vivemos numa sociedade onde, inexoravelmente, algumas propriedades serão mais valorizadas do que outras.

Os critérios de beleza poderão variar de uma sociedade para a outra, de uma época para a outra. Porém, sempre algumas pessoas serão tidas como mais belas; e elas sempre serão poucas, visto que o que é menos frequente chama mais a atenção. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Vaidade, ambição e inteligência

Sempre me intrigou o fato de que a maior parte das pessoas mais inteligentes que tenho conhecido são portadoras de uma vaidade muito maior do que a da maioria das pessoas. É claro que existem falhas nesta avaliação subjetiva, até porque não temos meios efetivos de quantificar a vaidade (e a própria avaliação da inteligência nem sempre é muito precisa).
Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Vaidade, Importância e Utilidade

A reflexão sobre a interferência da vaidade no modo como avaliamos as pessoas e as funções que elas exercem na sociedade merece especial consideração.

No nosso ambiente cultural, as pessoas consideradas importantes são as que conseguem se destacar, chamar a atenção sobre si. O destaque, sabemos, é gerador de um prazer erótico muito valorizado e não são poucas as pessoas que consideram este tipo de conquista como a grande fonte de felicidade. É importante ressaltar que, se isso for verdade, a grande maioria da humanidade está condenada à infelicidade eterna, a arder de inveja e a buscar meios moralmente pouco legítimos para alcançar algum tipo de notoriedade.

O destaque tem muito pouco a ver com a efetiva utilidade daquela dada pessoa na vida em sociedade. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Palestra Sexualidade Sem Fronteiras

8 de agosto de 2013 por Flávio Gikovate | 1 Comentário

Embora no século XX o surgimento da psicanálise e a revolução sexual tenham contribuído para aumentar as discussões em torno da sexualidade, poucos avanços ocorreram de fato nesse campo da existência humana.

Preocupados com o desempenho; o número de relações sexuais por semana; a quantidade de orgasmos; a competência; a exuberância; homens e mulheres se perderam.

Regras, dicas e normas se acumulam sem que percebamos que liberdade e obrigação definitivamente não combinam quando o assunto é sexo.

No livro Sexualidade sem fronteiras, lançamento da MG Editores, Flávio Gikovate propõe um novo paradigma no que se refere à sexualidade.

O primeiro passo é entender que o caráter lúdico do erotismo desvincula o sexo do compromisso social. É o clima lúdico que deve prevalecer nas relações sexuais.

Cada um de nós deve escolher e vivenciar os tipos de carícia — consentida — que mais lhe agradarem; cada um de nós deve ser livre para (re)direcionar nossos interesses eróticos da forma como bem nos aprouver.

Só assim os rótulos se tornarão descabidos e desnecessários, e em vez de falarmos em hétero, homo, bissexualidade etc. falaremos em sexualidade — e sem fronteiras.

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Ser, Ter, Parecer, Aparecer

Em 1976, Erich Fromm publicou um livro cujo título, “Ter ou Ser”, indicava que estava em curso uma mudança fundamental. As alterações nos valores culturais acompanham, em geral com certo atraso, as que acontecem no plano dos avanços da tecnologia – especialmente quando eles estão diretamente ligados ao cotidiano da maioria dos cidadãos. Nosso “habitat” vem mudando drasticamente principalmente a partir da II Grande Guerra. Nós, humanos, interferimos continuadamente sobre o ambiente que nos cerca; depois temos que nos adaptar às mudanças que nós mesmos provocamos. Por vezes, levamos um susto com o que nos acontece, como se não fôssemos nós os causadores de tudo! Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Hábitos, Compulsões e Vícios

Falta muito para que possamos dizer que conhecemos os detalhes do funcionamento do psiquismo humano. O que é fato é que uma boa parte das nossas ações parecem governadas por um “piloto automático”: em muitos casos, agimos de forma automática; e reagimos a determinadas situações sem que necessitemos pensar acerca do que fazer.

Os movimentos que fazemos ao dirigir o carro são todos sincronizados e não exigem reflexão, assim como as reações que temos diante de um problema inesperado no meio do percurso que estamos realizando. Muitas vezes só nos conscientizamos de algo depois do ocorrido, como se, diante do susto, o piloto automático tivesse se desligado! Fazemos o mesmo ao escovar os dentes, ao nos movimentarmos durante o banho, nos enxugarmos, assim como em tantas outras condições que se repetem com regularidade em nossas vidas. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Como se dá o encantamento amoroso

Até hoje, muita gente gosta de pensar que o encantamento amoroso acontece por acaso e de modo mágico (como se fôssemos mesmo vítimas das flechadas aleatórias do Cupido). Não é o que acredito.

Desde 1976 venho tentando entender quais as variáveis que determinam a escolha dos parceiros sentimentais. A tarefa é difícil porque está relacionada com múltiplas variáveis e isso costuma ser motivo para que algumas pessoas privilegiem uma delas e desconsiderem outras igualmente importantes. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

O consumismo da elite é desespero – Revista Época Negócios

“O consumismo da elite é desespero”

O psiquiatra Flávio Gikovate fala sobre as angústias da elite que frequenta seu consultório e o estresse do mundo moderno


9 mil pacientes atendidos, 1 milhão de livros vendidos e programa na cbn (Foto: João Mantovani)

Flávio Gikovate não tem um divã. Quando um paciente chega ao consultório dele, num dos endereços mais caros de São Paulo (a Rua Estados Unidos, nos Jardins), encontra primeiro uma fachada de cimento queimado com portas altas de correr. Depois, pode tomar café na recepção térrea, entre um jardim interno envidraçado e telas coloridas de Claudio Tozzi. Na hora da consulta, sobe por uma escada sem paredes laterais até a sala do psiquiatra e se senta: ou num sofá, ou numa poltrona bem confortável de couro preto. Mas divã, como no nome de seu programa semanal na rádio CBN (No Divã do Gikovate), não tem. “Sempre trabalhei assim, prefiro olho no olho”, diz. Talvez seja o olho no olho, talvez seja o método da “psicoterapia breve” e a promessa de alta em seis meses – que faz com que ele atenda 200 pacientes por ano. Fato é que Gikovate se tornou o confidente de alguns dos empresários e executivos mais bem-sucedidos do país. Nesta conversa, ele fala sobre a gastança dos brasileiros ricos, a cabeça do bom líder e outros temas atuais, mas de um ponto de vista diferente. Ou você já tinha ouvido que a culpa do consumismo é da pílula anticoncepcional?

Dinheiro anda comprando mais felicidade ou infelicidade?
Esses dias Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

O Medo da Felicidade

Venho tratando desse tema desde o final dos anos 1970 e ele surgiu em minha mente de uma forma estranha e surpreendente: de repente percebi que as pessoas, ao se apaixonarem, passavam a viver em estado de alarme, muitas vezes em pânico, como se algo de terrível estivesse para lhes acontecer.

Dormiam mal, perdiam o apetite, viviam obcecadas, pensando compulsivamente no que estava lhes acontecendo, querendo saber o tempo todo do amado e se ele ainda estava lá pronto para dar continuidade ao relacionamento. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

A Inveja nas Relações Íntimas

Ninguém gosta muito de pensar que possa sentir inveja, muito menos de alguém que lhe seja bem próximo. Porém, a realidade nos ensina exatamente o inverso: o sentimento ocorre mais frequentemente entre os que têm convívio íntimo.

A inveja deriva da nossa tendência a nos compararmos: nos sentimos diminuídos, humilhados, quando alguém tem algo a mais que nós. Ela costuma ser mais intensa quando consideramos que o outro não deveria ter mais, pois é da mesma faixa etária, da mesma origem social… Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Solidão também é bom

O pavor da solidão é algo presente em muitos de nós por razões que nem sempre são muito consistentes. Em primeiro lugar, ela costuma estar associada à dor que sentimos nos primeiros tempos depois de uma separação amorosa. É claro que nos habituamos ao aconchego que deriva de uma união, mesmo que problemática.

A dor derivada da ruptura não corresponde à solidão e sim a uma tristeza que deriva da transição de uma condição para a outra. A solidão corresponde ao estágio posterior, ou seja, ao modo como vivemos depois de ultrapassar essa turbulência, por vezes bem dolorosa, típica de uma transição que, num primeiro momento, nos parece ser para pior. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Muitos homens têm medo de mulheres fortes

A grande maioria dos homens só se sente confortável ao lado de uma mulher que eles consideram mais fracas – ou menos – do que eles. Os critérios para esta avaliação são subjetivos e dependem da hierarquia de cada um.

A maioria gosta de ter controle financeiro sobre as suas mulheres, condição na qual sentem menos medo de serem abandonados. Muitos gostam de se sentir mais inteligentes, mais preparados e cultos, afora, é claro, a superioridade física. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Como definir maturidade emocional?

Penso que a maturidade emocional se caracteriza pelo atingimento de um estado evolutivo no qual nos tornamos mais competentes para lidar com as dificuldades da vida e por isso mesmo com maior disponibilidade para usufruir de seus aspectos lúdicos e agradáveis.

Talvez a principal característica da pessoa madura esteja relacionada com o desenvolvimento de uma boa tolerância às inevitáveis frustrações e contrariedades a que todos nós estamos sujeitos. Tolerar bem frustrações não significa não sofrer com elas e muito menos não tratar de evitá-las. A boa tolerância às dores da vida implica certa docilidade, capacidade de absorver os golpes e mais ou menos rapidamente se livrar da tristeza ou ressentimento que possa ter sido causado por aquilo que nos contrariou. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Mudar é Difícil

Muitas pessoas dizem querer mudar, mas é só da boca para fora. Algumas se satisfazem em pensar e falar que “todo o mundo tem defeitos; eu também tenho os meus” como se isso as desobrigassem de batalhar para deixar de tê-los. A verdade é que as mudanças exigem grande determinação e disciplina, além de que o usual é que a pessoa tenha que passar por um período de privações ou de algum tipo de sofrimento e renúncia.

Os que desenvolveram certas fobias, medos irracionais que os impedem de andar em elevadores, aviões, transitar por estradas lotadas sem saídas colaterais, ir a eventos públicos onde há muita gente etc. certamente desejam se livrar delas. O entendimento das razões que os levaram a desenvolver esses medos não será suficiente para que se livrem deles: terão que enfrentá-los! Terão que passar pela difícil experiência de vivenciá-los, condição em que serão capazes de perceber que suas forças são maiores que os medos. Isso aumenta muito a autoestima daqueles que aceitam se submeter a esse sofrimento, de modo que costumam ocorrer vários outros avanços e benefícios pessoais derivados da vivência bem sucedida. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Por que os cafajestes são tão atraentes?

Os malandrões e conquistadores ousados, os que chegam dizendo-se apaixonados e prometendo mundos e fundos, despertam o entusiasmo erótico com uma facilidade incrivelmente maior do que os homens mais recatados, sutis e educados. Estes morrem de inveja dos sedutores porque não conseguem agir da forma mentirosa e invasiva com que eles abordam suas “presas”. Os melhores invejam os piores – um paradoxo que deriva do sucesso deles nesta área tão relevante! Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Why Are Bad Boys so Attractive?

Bad boys, those daring womanizers who easily proclaim their love and promise the moon, tend to be very sexually attractive to women, much more so than reticent, polite and subtle men. The latter are jealous of these seductive men because they are unable to act with the same persistence and disregard for truth, which seems to be a philanderer’s main approach. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn