Dr. Flávio Gikovate

Sensualidade Não Tem Idade

Acho que as reflexões que temos feito sobre o que torna a mulher sensual estão nos levando a algumas conclusões importantes. Uma delas é a de que despertar o desejo sexual por meio do estímulo visual é uma coisa bastante diferente de ser capaz de responder plenamente às intimidades eróticas. Esta segunda capacidade está relacionada ao crescimento interior, com a certeza de que Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

A Inveja nas Relações Íntimas

Ninguém gosta muito de pensar que possa sentir inveja, muito menos de alguém que lhe seja bem próximo. Porém, a realidade nos ensina exatamente o inverso: o sentimento ocorre mais frequentemente entre os que têm convívio íntimo.

A inveja deriva da nossa tendência a nos compararmos: nos sentimos diminuídos, humilhados, quando alguém tem algo a mais que nós. Ela costuma ser mais intensa quando consideramos que o outro não deveria ter mais, pois é da mesma faixa etária, da mesma origem social… Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

O Medo da Felicidade

Venho tratando desse tema desde o final dos anos 1970 e ele surgiu em minha mente de uma forma estranha e surpreendente: de repente percebi que as pessoas, ao se apaixonarem, passavam a viver em estado de alarme, muitas vezes em pânico, como se algo de terrível estivesse para lhes acontecer.

Dormiam mal, perdiam o apetite, viviam obcecadas, pensando compulsivamente no que estava lhes acontecendo, querendo saber o tempo todo do amado e se ele ainda estava lá pronto para dar continuidade ao relacionamento.

Isso, em princípio, não fazia o menor sentido, pois afinal de contas se apaixonar era o anseio máximo daquelas pessoas que, depois, por motivos duvidosos, acabavam por se afastar de seus amados como que para se livrar desse estado de espírito Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Por que nos decepcionamos com o amado

Por que nos encantamos sentimentalmente por uma pessoa? Ainda não podemos responder integralmente a esta pergunta fundamental.

Fomos capazes de avançar muito a esse respeito nos últimos anos, de modo que algumas conclusões parciais podem ser muito úteis para que cometamos menos erros.

Nós nos envolvemos com outra pessoa porque nos sentimos incompletos em nós mesmos. Se nos sentíssemos inteiros e não “metades”, certamente não amaríamos. Sim, porque o Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

O consumismo da elite é desespero – Revista Época Negócios

“O consumismo da elite é desespero”

O psiquiatra Flávio Gikovate fala sobre as angústias da elite que frequenta seu consultório e o estresse do mundo moderno


9 mil pacientes atendidos, 1 milhão de livros vendidos e programa na cbn (Foto: João Mantovani)

Flávio Gikovate não tem um divã. Quando um paciente chega ao consultório dele, num dos endereços mais caros de São Paulo (a Rua Estados Unidos, nos Jardins), encontra primeiro uma fachada de cimento queimado com portas altas de correr. Depois, pode tomar café na recepção térrea, entre um jardim interno envidraçado e telas coloridas de Claudio Tozzi. Na hora da consulta, sobe por uma escada sem paredes laterais até a sala do psiquiatra e se senta: ou num sofá, ou numa poltrona bem confortável de couro preto. Mas divã, como no nome de seu programa semanal na rádio CBN (No Divã do Gikovate), não tem. “Sempre trabalhei assim, prefiro olho no olho”, diz. Talvez seja o olho no olho, talvez seja o método da “psicoterapia breve” e a promessa de alta em seis meses – que faz com que ele atenda 200 pacientes por ano. Fato é que Gikovate se tornou o confidente de alguns dos empresários e executivos mais bem-sucedidos do país. Nesta conversa, ele fala sobre a gastança dos brasileiros ricos, a cabeça do bom líder e outros temas atuais, mas de um ponto de vista diferente. Ou você já tinha ouvido que a culpa do consumismo é da pílula anticoncepcional?

Dinheiro anda comprando mais felicidade ou infelicidade?
Esses dias Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Vaidade, ambição e inteligência

Sempre me intrigou o fato de que a maior parte das pessoas mais inteligentes que tenho conhecido são portadoras de uma vaidade muito maior do que a da maioria das pessoas.

É claro que existem falhas nesta avaliação subjetiva, até porque não temos meios efetivos de quantificar a vaidade (e a própria avaliação da inteligência nem sempre é muito precisa).

A ambição também parece guardar alguma relação com a inteligência: pessoas mais dotadas sonham com posições mais altas para si; o fazem por se sentirem competentes Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Como se dá o encantamento amoroso

Até hoje, muita gente gosta de pensar que o encantamento amoroso acontece por acaso e de modo mágico (como se fôssemos mesmo vítimas das flechadas aleatórias do Cupido). Não é o que acredito.

Desde 1976 venho tentando entender quais as variáveis que determinam a escolha dos parceiros sentimentais. A tarefa é difícil porque está relacionada com múltiplas variáveis e isso costuma ser motivo para que algumas pessoas privilegiem uma delas e desconsiderem outras igualmente importantes. Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Os gordos podem aprender com os magros

Não pretendo ser simplista e afirmar que existe um caminho único e fácil para se resolver a complicada questão da obesidade. Mas proponho uma inversão radical no modo de pensarmos a repeito do assunto. Em vez de nos atermos aos gordos e aos seus hábitos, que tal voltarmos nossa atenção para o modo de ser dos magros?

Os magros não sabem o que é passar o dia contando quantas calorias foram consumidas, pensando nos alimentos antes de ingeri-los, visitando a Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Café de Ideias 2013 – Palestra: Sexualidade sem fronteiras

17 de abril de 2013 por Flávio Gikovate | 1 Comentário

Evento: Café de Ideias 2013

Palestra: Sexualidade sem fronteiras

Realizada no Centro Cultural Oscar Niemeyer no dia 5 de abril de 2013, em Goiânia

Embora no século XX o surgimento da psicanálise e a revolução sexual tenham contribuído para aumentar as discussões em torno da sexualidade, poucos avanços ocorreram de fato nesse campo da existência humana. Preocupados com o desempenho; o número de relações sexuais por semana; a quantidade de orgasmos; a competência; a exuberância; homens e mulheres se perderam. Regras, dicas e normas se acumulam sem que percebamos que liberdade e obrigação definitivamente não combinam.

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Gikovate defende mundo unissex e sem preconceitos

Para Gikovate, as pessoas devem ser orientadas pelo amor, e não só pelo desejo

Para Gikovate, as pessoas devem ser orientadas pelo amor, e não só pelo desejo

Um livro contra qualquer tipo de preconceito. É assim que o médico psiquiatra Flávio Gikovate define seu novo livro, “Sexualidade sem fronteiras”. Autor de mais de 30 livros, terapeuta e apresentador do programa “No Divã do Gikovate”, da rádio CBN, Gikovate defende que o ideal seria apenas falar de sexualidade, pondo fim ao uso dos termos hétero, homo ou bissexual.

Preconceito

É um livro, antes de tudo, contra o preconceito, qualquer tipo de preconceito. É impressionante como as questões sexuais ainda mobilizam preconceitos de toda ordem. Hoje vejo que até os homossexuais possuem preconceito contra Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Palestra Sexualidade Sem Fronteiras

8 de agosto de 2013 por Flávio Gikovate | 1 Comentário

Embora no século XX o surgimento da psicanálise e a revolução sexual tenham contribuído para aumentar as discussões em torno da sexualidade, poucos avanços ocorreram de fato nesse campo da existência humana.

Preocupados com o desempenho; o número de relações sexuais por semana; a quantidade de orgasmos; a competência; a exuberância; homens e mulheres se perderam.

Regras, dicas e normas se acumulam sem que percebamos que liberdade e obrigação definitivamente não combinam quando o assunto é sexo.

No livro Sexualidade sem fronteiras, lançamento da MG Editores, Flávio Gikovate propõe um novo paradigma no que se refere à sexualidade.

O primeiro passo é entender que o caráter lúdico do erotismo desvincula o sexo do compromisso social. É o clima lúdico que deve prevalecer nas relações sexuais.

Cada um de nós deve escolher e vivenciar os tipos de carícia — consentida — que mais lhe agradarem; cada um de nós deve ser livre para (re)direcionar nossos interesses eróticos da forma como bem nos aprouver.

Só assim os rótulos se tornarão descabidos e desnecessários, e em vez de falarmos em hétero, homo, bissexualidade etc. falaremos em sexualidade — e sem fronteiras.

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Dicas para mudar nosso jeito de pensar

8 de novembro de 2013 por Flávio Gikovate | 0 comentários

As pessoas parecem ser governadas por uma série de crenças, ideias pré-moldadas que ocupam um espaço enorme na subjetividade.

Curiosamente elas se apegam a esses modos de pensar como se fossem verdades mesmo quando os frutos são negativos…

Por que as pessoas não aprendem a buscar novas soluções para velhos problemas?

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Ser, Ter, Parecer, Aparecer

Em 1976, Erich Fromm publicou um livro cujo título, “Ter ou Ser”, indicava que estava em curso uma mudança fundamental. As alterações nos valores culturais acompanham, em geral com certo atraso, as que acontecem no plano dos avanços da tecnologia – especialmente quando eles estão diretamente ligados ao cotidiano da maioria dos cidadãos. Nosso “habitat” vem mudando drasticamente principalmente a partir da II Grande Guerra. Nós, humanos, interferimos continuadamente sobre o ambiente que nos cerca; depois temos que nos adaptar às mudanças que nós mesmos provocamos. Por vezes, levamos um susto com o que nos acontece, como se não fôssemos nós os causadores de tudo! Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Hábitos, Compulsões e Vícios

Falta muito para que possamos dizer que conhecemos os detalhes do funcionamento do psiquismo humano. O que é fato é que uma boa parte das nossas ações parecem governadas por um “piloto automático”: em muitos casos, agimos de forma automática; e reagimos a determinadas situações sem que necessitemos pensar acerca do que fazer.

Os movimentos que fazemos ao dirigir o carro são todos sincronizados e não exigem reflexão, assim como as reações que temos diante de um problema inesperado no meio do percurso que estamos realizando. Muitas vezes só nos conscientizamos de algo depois do ocorrido, como se, diante do susto, o piloto automático tivesse se desligado! Fazemos o mesmo ao escovar os dentes, ao nos movimentarmos durante o banho, Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Sexo Como Prazer ou Como Arma?

O momento de transição entre o ficar e o de só ter intimidades físicas com um namorado é extremamente importante, pois nos ensina muito a respeito da sexualidade adulta. De repente, as moças descobrem suas dificuldades em lidar com uma sexualidade, que parece não se saciar, e ficam com Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter

Por que a comunicação é tão difícil?

Somos extremamente centrados em nós mesmos. Vivemos como se os outros soubessem exatamente o que se passa dentro de nós. Estamos muito pouco atentos para as enormes dificuldades que temos em nos comunicarmos com alguma eficiência. Nos últimos tempos, esses obstáculos têm chamado a atenção de muita gente. Pode até ser que as indiscutíveis diferenças entre Continue Lendo →

Compartilhe!
  • LinkedIn
  • Delicious
  • Digg
  • email
  • Facebook
  • Google Reader
  • MSN Reporter
  • Reddit
  • Twitter
Página 1 de 43
123...10...Última »